[Propostas e sugestões a Adalberto Martins, o Pardal]

WPO | COR | [Propostas e sugestões a Adalberto Martins, o Pardal], s/d.

 

 

Para: Adalberto Martins (Pardal)

Assunto: Cartilha

 

Caro companheiro

Recebí seu email e achei muito interessante a pauta de assuntos que V. lista para serem abordados numa cartilha sobre o cooperativismo ou cooperação agrícola na China. A rigor, somente precisarei me atualizar um pouco mais sobre a atual evolução da economia camponesa familiar, da economia cooperativa e das granjas e fazendas coletivas e estatais. Quanto à parte histórica, incluindo a reforma, tenho material suficiente.

Na parte final de seu email V. fala de acrescentar um capítulo sobre a China pós reforma. Como isso dá mais de um livro, talvez fosse bom V. dizer o que seria util enfatizar nesse capítulo. V. chegou a ler “China – o dragão do século XXI”, um texto paradidático que eu produzi para a Ática? Talvez com base nele V. pudesse precisar melhor o que destacar.

Eu também preciso ter uma idéia de quantas páginas terá a cartilha (melhor ainda se especificar quanto caracteres). Embora isso coloque o autor numa camisa de força, por outro lado ajuda-o a escrever o essencial e a manter certa padrão homogêneo, importante em coleções (parto do pressuposto de será uma coleção de cartilhas, cada experiência correspondendo a uma cartilha: isto é certo ou estou enganado?).

Quanto ao custo, estou sem experiência para a elaboração de textos que não serão comercializados. No caso da Ática e outras editoras com quem venho trabalhando, elas pagam como adiantamento 10% do valor da primeira edição de 5 mil exemplares e continuam pagando o mesmo percentual à medida que os livros vão sendo vendidos. Talvez fosse melhor V. me dizer qual tem sido a prática de vocês para partirmos de uma base mais concreta.

Em relação à visita de Vs. à China em 1999: a) se Vs. forem como MST, o melhor é ir através das relações existentes com a Federação dos Sindicatos; b) se Vs. quiserem ir com Cooperativas Agrícolas, inclusive na expectativa de estabelecer laços de cooperação técnica, econômica e comercial, aí eu certamente poderei dar uma contribuição mais concreta e montar um roteiro e contatos para Vs.

Quanto à escolha das regiões, depende do tipo de produção agrícola que Vs. querem conhecer, já que existe um certo zoneamento na China tendo em vista as latitudes e os climas: no norte há trigo, sorgo e outras culturas que suportam climas mais frios; no centro, embora as latitudes também sejam altas e o clima frio, há maior diversidade (além de trigo e sorgo, soja, arroz, algodão); no sul (trópico de Câncer), o clima é mais parecido com o sudeste e sul do Brasil, com a mesma diversidade agrícola. As zonas de melhores pastagens estão distribuidas em algumas zonas do sul e sudoeste, mas elas também estão nos altiplanos do noroeste. A criação de porcos e aves ocorrer em quase todo o território, o mesmo acontecendo com a aquacultura fluvial e marinha. As indústrias rurais (que não são necessariamente indústrias agrícolas) também estão distribuidas por todo o território. Então, o melhor é saber no que vocês estão interessados e, também, o que acham que que podemos oferecer de interesse técnico, econômico ou comercial aos chineses, para estudarmos as melhores opções, inclusive com eles.

Quanto às melhores épocas, não há dúvida alguma: primavera (março a maio) e outono (setembro a novembro). O verão (junho a agosto) também é viável, mas é muito quente. No inverno, nem pensar (a temperatura, no norte, à vezes cai a 35º negativos).

Se precisar mais alguma coisa, estou às ordens.

Aguardo notícias.

 

Fraternalmente

Wladimir Pomar

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *