Sinais de crescimento, porém…

Correio da Cidadania

WPO | ART | CCD | Sinais de crescimento, porém…, n. 402, 19 jun. 2004.

 

 

Não passa dia sem que seja anunciado algum sinal de crescimento econômico. Sempre acompanhado, porém, de algum “porém”. Por exemplo: foi anunciado que os setores industriais retomaram o ritmo ascendente de produção, “porém”, isto só foi visível naqueles setores ligados à exportação. Também foi divulgado que as vendas se expandiram, “porém”, puxadas pelo crédito, enquanto reagem lentamente os setores que apontariam um aumento do poder aquisitivo da população.

Em outras palavras, parece que poderemos ter um crescimento econômico, porém não generalizado. Além disso, há setores que aumentaram sua produção e suas vendas, porém não criaram postos de trabalho na mesma proporção. A relação entre as taxas de crescimento dos setores mais dinâmicos e as taxas de geração de empregos é totalmente desequilibrada.

Essa dicotomia será, cada vez mais, o desafio mais dramático do governo popular. Chegar a um crescimento de 3% a 4%, porém continuar convivendo com taxas de desemprego de 10% ou mais, representará um custo social e político difícil de ser explicado e justificado.

Nessas condições, nunca será demais repetir que, nas atuais condições brasileiras, a expansão das micro e pequenas empresas, aqui incluídas as economias familiares e individuais, urbanas e rurais, é a medida que pode ampliar as oportunidades de trabalho e reduzir sensivelmente o desemprego.

A expansão desses setores depende, e muito, do micro crédito. No entanto, seria uma ilusão supor que o crédito poderá resolver todos os problemas que os impedem de ter um papel decisivo na criação de oportunidades de trabalho e empregos. O aumento dos impostos e as exigências burocráticas e fiscais estão empurrando um número cada vez maior de micro e pequenas empresas para a informalidade/clandestinidade.

Portanto, elas têm condições de contribuir decisivamente para resolver o problema do desemprego e, também, de um crescimento econômico menos desbalanceado. Porém…

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *