Coisas da China

Correio da Cidadania

WPO | ART | CCD | Coisas da China, n. 415, 18 set. 2004.

 

 

A maior parte da produção agrícola chinesa recai sobre 300 milhões de pequenos lavradores, com áreas médias de meio hectare. Entre 1994 e 1998, numa sucessão de boas safras, eles chegaram a produzir 540 milhões de toneladas de grãos, levando a supor que a China poderia ser auto-suficiente na produção de alimentos.

As safras seguintes, porém, foram frustrantes e a de 2003 caiu para 431 milhões de toneladas de cereais. Isto levou o governo chinês a investigar o problema, enviando equipes a todas as regiões da China. Elas descobriram que a renda da população rural crescia mais devagar do que a renda da população urbana, os custos da produção de alimentos eram mais altos do que os preços obtidos, e que a febre de instalação de “zonas de desenvolvimento” havia reduzido a área agricultável de 113 milhões de hectares, em 1998, para 99 milhões de hectares, em 2003.

Na China, há mais de dois mil anos, a agricultura ou, mais propriamente, o campesinato, é a chave do desenvolvimento e da estabilidade do país. 431 milhões de toneladas podem parecer muito. Mas, para a China, elas representam uma crescente necessidade de importar alimentos e um sinal de alerta em relação à situação dos pequenos lavradores, obrigados a procurar atividades mais compensadoras fora da agricultura.

Reagindo a esse quadro, em março deste ano o atual governo chinês anunciou que os produtores agrícolas das 13 principais regiões de grãos do país receberiam um subsídio de 300 yuans por hectare plantado e que o imposto agrícola pago por eles seria abolido.

Os chamados produtos agrícolas especiais, como frutas e cogumelos, estão isentos de qualquer taxa a partir da safra de 2004. Os demais terão uma redução anual gradativa, não pagando mais nada a partir de 2008. Além disso, das 6.741 “zonas de desenvolvimento” investigadas, ocupando cerca de 3,7 milhões de hectares, 4.731 foram fechadas, tendo suas terras retornado para uso agrícola.

Em julho, o Departamento Estatal de Estatística anunciou que a colheita de verão, já em finalização, atingiria 455 milhões de toneladas, 24 milhões a mais do que a de 2003. E que a renda líquida da população agrícola havia crescido 7,8% no semestre, revertendo a tendência anterior.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *