A quem interessava

Correio da Cidadania

WPO | ART | CCD | A quem interessava, n. 242, s/d.

 

 

Há muito as elites se esforçam para que a política brasileira não saia do nível da politicalha. Agora, com os casos dos senadores Jader, ACM e Arruda, elas tentam rebaixá-la ainda mais, tornando-a um caso de polícia. A violação do painel do Senado é um caso típico de banditismo, cujos objetivos ainda são nebulosos e desafiam a inteligência não só dos parlamentares, mas de todo o povo brasileiro.

Por que diabos alguém quereria conhecer quem votou contra e a favor da cassação do megafraudador Luiz Estevão? Que importância isso poderia ter do ponto de vista político ou de qualquer outro ângulo? Se estas questões fossem respondidas facilmente, não seria difícil montar o quadro dos interessados no crime. No caso do painel eletrônico do Senado, porém, essas questões talvez sejam o principal mistério.

Sabe-se que apenas três pessoas da cúpula do governo tiveram acesso à lista: Arruda, FHC e ACM. Arruda, ex-líder do governo, confessou, pateticamente, haver cometido o crime, uma confissão que pode ter resultado de sua conversa com o presidente da República. Mais parece uma imolação consentida, para concentrar as atenções no autor do crime, desviá-las de seu móvel e salvar os interessados maiores. É verdade que, de quebra, Arruda também quer imolar ACM, como mentor intelectual e criminoso maior, o que pode gerar novos embaraços. De qualquer maneira, restam as perguntas por quê? e para quê? A justificativa de curiosidade mórbida, dada por Arruda, nem criança de chupeta aceita.

A rigor, deve-se à indiscrição, ingênua ou premeditada de ACM, a descoberta de mais esse escândalo do reinado de FHC. E, dos três implicados, ele talvez seja o único que pode alegar que não se omitiu ao denunciar o fato aos procuradores. Mas, por que cargas d’água ACM teria, em santa ingenuidade, feito menção à violação do painel na conversa com os procuradores da República, ainda mais referindo-se a um suposto voto da senadora Heloísa Helena, sabendo que o PT levantaria paus e pedras para ver o esclarecimento do caso?

Quanto a FHC, desde o início tem se comportado como a vestal do templo. Porém, já foi sugerido ter sido ele o segundo, após Arruda, a tomar conhecimento da lista. Se o fez, por que se omitiu de adotar as providências legais cabíveis, omissão também passível de crime de responsabilidade?

Como vemos, a cúpula do poder está atolada até uma profundidade em que qualquer marola é intragável. Ela parece haver chegado ao acordo de imolar Arruda. Se conseguir ficar nisso, será uma vitória, o pretendido abafa, uma pizza geral. Só que, no ponto em que as coisas chegaram, não há quem não queira saber a motivação real do crime e a quem ele interessava.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *