A quem interessa?

Correio da Cidadania

WPO | ART | CCD | A quem interessa?, n. 133, 09 mar. 1999.

 

 

Na criminologia, a pergunta A quem interessa? é fundamental para desvendar os crimes de morte ainda não banalizados pela violência atual. O policial inteligente procura os motivos, mais precisamente os interesses envolvidos no assassinato, para através deles descobrir os autores.

Esse método da investigação criminal, entretanto, parece simplista para os cientistas econômicos e políticos. Eles raramente se debruçam sobre pergunta tão singela para descobrir motivos criminosos em eventos aparentemente tão despersonalizados quanto inflações persistentes, estabilizações monetárias e desvalorizações cambiais.

Mas agora, depois dos lucros dos bancos nestes primeiros meses de 1999  –  notícia que a grande imprensa procura esquecer rapidamente  –  talvez aquele método tenha que ser valorizado. Tornou claro a quem interessava a desvalorização do Real. O sistema financeiro teve, no lapso de dias, lucros superiores a todo o ano de 1998. Ao ostentar seus ganhos, trouxe à luz o interesse pelo crime cometido.

Não estamos falando aqui de informações privilegiadas, embora isto também ocorra. Falamos de uma lógica criminosa que os bancos nacionais e internacionais, com a conivência dos formuladores da política econômica, tramam faz tempo para lucrar com as desventuras da economia e do povo brasileiros.

Se perguntarmos A quem interessava? a inflação anterior a 1994, encontraremos nos lucros do sistema financeiro uma prova conclusiva. Mas, se perguntarmos também A que interessou? a estabilização monetária do modo que foi feita, descobriremos a resposta nos balanços das instituições bancárias e financeiras. Do mesmo modo que, paradoxalmente, foram elas que se beneficiaram como ninguém com a desvalorização do Real.

Em cada caso, o sistema financeiro conhecia as vantagens, as inconsistências e o processo de esgotamento das políticas que ele próprio incentivou para seu proveito, através de governos subservientes. Pôde preparar-se para cada virada, como a atual desvalorização, e operar para lucrar com elas. Os lucros exorbitantes são o resultado e a prova de crimes premeditados.

Se isso servir de lição, os brasileiros talvez aprendam a perguntar A quem interessa? Poderão descubrir que pouco adianta mudar de política econômica se FHC e cia. continuarem no comando, subordinados aos mesmos interesses atuais. Como diria Lula nos velhos tempos, é o mesmo que botar a raposa para tomar conta do galinheiro e pedir a ela para engordar as galinhas e ainda praticar jejum. Interessa a ela?

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *